Na noite de 3 de Fevereiro, um grupo de 12 irmãs CM e 12 leigos CMS reuniram-se na casa de retiro das Missionary Crusader Sisters of the Church em Carabanchel Alto, Madrid. O comité CMS da Europa (Clara Palma, José M. de Paco e Cristiana Tamagnini) juntamente com a Ir. Lola Jara, conselheira provincial do CMS tinha-nos convocado a todos juntos.

O Itinerário de Formação A agenda comum para todos os membros do CMS tinha acabado de ser aprovada na assembleia internacional e tínhamos de a conhecer. Aí dedicámos muita atenção a esta questão.

O CMS é uma realidade, também na Europa, mas não podemos descansar sobre os nossos louros. É uma realidade no seio da família Missionary Carmelite. Esta família é chamada a dar frutos. Para ser sal no meio da massa deste mundo secularizado indiferente à fé cristã. E ser luz, como nos pedia o Evangelho daquele Domingo, o Quinto Domingo do Tempo Comum.

Os leigos integrados no CMS estão conscientes da sua missão. Foram chamados pelo Espírito Santo a viver a sua fé integrada na sua vida pessoal como uma pessoa que vive na sua família, trabalho e ambiente social como pessoas empenhadas em testemunhar e viver o seguimento de Jesus Cristo.

Este objectivo de IDENTIFICAÇÃO com a sua vocação envolve seguir um caminho que passa por BELONGING e a busca que toma forma na fase da INICIATIVA. Esta é uma etapa importante, porque é o início e as fundações devem ser bem assentes para que a obra seja sólida. Os conselheiros e todas as pessoas ligadas ao Carmelo Missionário devem cuidar dela com muito cuidado. É uma questão de activar os dons e capacidades que Deus nos dá para despertar o desejo de seguir o Evangelho, para mostrar a alegria nascida da fé e do amor cristão.

No Itinerário Formativo do CMS, a etapa de MEMBRARIA é uma fase esclarecedora na vida de cada membro do grupo. O Carisma, a Palavra de Deus, a realidade social estão integrados numa forma de viver a FAITH com sinceridade e coerência.

O estágio de IDENTIFICAÇÃO dura uma vida inteira. O desejo de viver COMMUNION será encarnado em cada um dos que se encontram neste caminho. Pelos frutos e modos de viver, chegamos a conhecer a verdade da nossa palavra e do nosso ser pessoal.

O ACOMPANHAMENTO ESPIRITUAL será um meio adequado para as pessoas conhecerem e aceitarem o que significa viver a fé em Jesus, como leigo baptizado, inserido na comunhão eclesial, pertencente a uma família espiritual, nascida na Igreja, segundo o carisma que o Espírito Santo concedeu ao nosso fundador, o Beato Francisco Palau, para viver. Este tempo de iniciação no CMS tem um limite de tempo, um máximo de dois anos. Este caminho formativo de conhecimento deve conduzir ao compromissos pessoaisA adesão à própria Associação CMS, de acordo com os seus próprios Estatutos, começou com eles.

É um desafio e tanto para as Irmãs Conselheiras. Estamos conscientes do valor desta realidade CMS na Igreja e na Congregação das Irmãs Missionárias Carmelitas, em particular. Há muito que se tem dito que este é o tempo dos leigos na Igreja. Todos sabemos que temos um problema por causa do clericalismo profundamente enraizado em todo o lado. Nas tentativas de colaboração sinodal nas paróquias e nas dioceses, vemos isto.  

Ouvindo a história das irmãs conselheiras de 15 grupos CMS na Europa, descobrimos as janelas de esperança abertas para o carisma palaciano. Nestes leigos existe um futuro de vida e uma missão cristã. É uma grande responsabilidade que temos. Temos de cuidar desta planta que já dá frutos. A semente é lançada, mas temos de cuidar dela com amor e cuidado.

Para mim, esta reunião é uma chamada a colaborar neste cuidado. Estes leigos têm um amor pela prática da oração. Eles estão conscientes da necessidade de formação. Apreciam o testemunho simples e verdadeiro das irmãs que as ajudam e apoiam.  

Lembro-me da pergunta feita pelos primeiros ouvintes da pregação dos Apóstolos: "O que devemos fazer, irmãos e irmãs? É uma proposta que cada comunidade e cada irmã se pode colocar agora, neste tempo de chamada a viver a sinodalidade.

Creio que as nossas comunidades, todos os missionários carmelitas, são chamados a dar um testemunho de autenticidade vocacional. A alegria de seguir, a dedicação à missão, a sobriedade e simplicidade no uso dos meios, hoje, creio, podem também ser plataformas de proclamação.

É por isso que acredito ser um dever cuidar e acompanhar todos os leigos que mostram interesse em viver a fé dentro do CMS. Despertar o desejo é também a obra do Espírito Santo. Acompanhando e iluminando, orando, ajudando na formação e amor do Carisma, todos o podemos fazer, de acordo com a situação de cada irmã.  

Foi um encontro alegre, um tempo de partilha livre e interior, de reflexão e de oração num ambiente fraterno. Marta Peiró, conselheira provincial, e outras Irmãs da comunidade da casa provincial, e celebrámos juntos a Eucaristia.

Mª Carmen Parra Acebes

Comunidade de Santa Teresa - Terrassa

pt_PTPT
Partilhar isto