SÍMBOLOImagem e relíquia de Palau, Livros: História das Irmãs Missionárias Carmelitas, Escritos de Francisco Palau e Constituições.

PREPARAR: Recortes de imprensa sobre a pandemia, velas/templas com nomes de irmãs que morreram de Covid-19 e outras que entretanto faleceram.

Introdução

 Em fevereiro de 1872, quando estava totalmente imerso no seu trabalho apostólico e fundacional, o P. Francisco Palau soube de uma epidemia de tifo em Huesca e foi imediatamente ajudar Juana Gratias e as irmãs do Hospital de Estadilla. A providência acabou por provocar-lhe a doença, que se agravou e o levou à morte a 20 de março de 1872, na presença das suas filhas espirituais, na sua mais jovem fundação em Tarragona.

A fidelidade à sua opção de servir a Igreja nos lugares mais abandonados e despossuídos da sociedade do seu tempo levou-o a cuidar dos infectados pela peste. Fê-lo juntamente com aqueles que com ele fizeram um percurso de vida.

A vida e a morte de Francisco Palau deixaram uma marca profunda, não só nas Irmãs e Irmãos que ele fundou, mas em todos aqueles que tiveram a sorte de o conhecer. No final, ele cumpriu heroicamente a sua santa missão, como prova do seu amor a Deus e à sua amada, a Igreja.

150 anos depois, o Beato Francisco Palau continua a partilhar a sua missão através da vida dos seus filhos e filhas espirituais nas Irmãs Missionárias Carmelitas e no Carmelo Missionário Secular. Tal como os problemas do seu tempo, também nos últimos anos se assistiu a uma pandemia global que pôs em evidência as desigualdades persistentes na nossa sociedade e afectou de forma desproporcionada as populações mais vulneráveis. Para além do seu alcance global, a pandemia de COVID-19 entrou também nas nossas casas e comunidades. Também nós, tal como o Padre Palau, lutámos corajosamente nesta missão de cuidar e servir os doentes, especialmente porque alguns de nós, as nossas irmãs e os nossos entes queridos, experimentaram-na em primeira mão, enquanto alguns até sucumbiram à morte.

Ao iniciarmos este Tríduo em honra do 150º aniversário da morte do nosso amado Padre Fundador, recordamos a sua coragem em vida e a sua fidelidade à especial vocação eclesial a que foi chamado e que continua a viver na família do Carmelo Missionário. Neste significativo aniversário, celebramos também o dom da comunhão com que o Espírito Santo nos abençoou através da vida e das obras do P. Palau, um dom de que o mundo tem continuamente necessidade.

Caminhemos juntos com o "Senhor da Vida", para que também nós possamos ser fortalecidos na nossa vocação e missão como uma família do Carmelo Missionário, filhos e filhas do Beato Francisco Palau.

Canto de abertura e procissão de símbolos:

  • P. Francisco Palau (O Cualquier Canción)

Acender a vela

Em silêncio, acendemos as velas e rezamos por todas as irmãs, pelos membros do CMS e pelos milhões de pessoas que morreram por causa da COVID-19, pedindo a intercessão do Beato Francisco Palau para o seu descanso eterno e para a força e o conforto dos que ficaram.

Rezamos também para que possamos imitar o P. Fundador no seu amor apaixonado e no seu serviço à Igreja, especialmente aos doentes e aos mais vulneráveis.

Leitura das Escrituras:

Mt. 13: 1-9

Naquele dia, Jesus tinha saído de casa e estava sentado à beira-mar. E ajuntou-se a ele uma grande multidão. Entrou num barco e sentou-se, e todo o povo estava de pé na praia. E contou-lhes muitas coisas por parábolas, dizendo: "Eis que o semeador saiu a semear e, enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e vieram as aves e comeram-nas. Outras caíram em lugares pedregosos, onde não havia muita terra, e brotaram logo, porque não tinham terra profunda. Mas quando o sol nasceu, ficaram queimadas e, como não tinham raiz, secaram. Outras caíram entre os espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-nas. Mas outras caíram em boa terra e deram uma colheita, umas a cem, outras a sessenta, outras a trinta. Quem tem ouvidos, ouça".

Reflexão

A vida e a morte do Padre Francisco Palau é como a da semente do Evangelho que caiu em terra boa. Quando a semente cai em boa terra, morre, renuncia à sua própria identidade, desaparece completamente aos olhos do mundo, parece estar acabada e já não existir... tudo na semente acaba. Quando o esforço terreno cede, o divino toma conta. Quando parecia ser o fim na terra, há o começo do céu. Assim, o fim é sempre o princípio; o início de uma nova vida com o seu novo vigor, a sua nova identidade com o seu novo rosto, é muito mais dinâmico do que a sua origem. Porque ganha o poder sobrenatural de espalhar os seus ramos, o seu perfume por toda a terra. Esta é a vida e a morte do Padre Palau: ele deu origem a uma nova vida, que deu frutos na vida das Irmãs Missionárias Carmelitas e do Carmelo Missionário Secular. Criou raízes no solo de Espanha e estendeu os seus ramos a todos os continentes. Nós somos os frutos dessa semente que deu a sua vida totalmente para nos dar um novo nascimento.

Agradecemos-te, Senhor, por teres lançado esta semente na terra. Tu és o Senhor da vida e da morte. Como tens poder sobre a vida e a morte, agradecemos-te pelo 150º aniversário da morte do teu servo e nosso fundador, que deu a sua vida por amor a ti. Adoramo-Vos e glorificamo-Vos pelo maravilhoso trabalho que realizastes na vida dos seus filhos e filhas espirituais para levar o Carisma a todo o mundo. Rezamos para que a vida que brotou na família dos Carmelitas Missionários floresça e continue a espalhar a sua fragrância por toda a terra.

Silêncio

 

Sugestão de texto palautiano

História das Irmãs Missionárias Carmelitas

Recordemos a morte histórica do nosso querido fundador, o Padre Palau, que morreu quando visitava as freiras que estavam a trabalhar ativamente no avanço da doença, tal como na atual pandemia.

"Em meados de fevereiro de 1872, Francisco Palau viaja para Aytona. Ao chegar à sua terra natal, ouve dizer que em Calasanz (Huesca), perto de Estadilla, tinha rebentado uma epidemia de tifo e que Juana Gratias tinha decidido ir ajudar as vítimas. Juntamente com duas outras irmãs de Aytona, vai a Calasanz para apoiar e ajudar Juana. Regressou a Calasanz quando Juana apanhou a doença, e voltou a Barcelona com toda a tranquilidade, quando soube que Juana Gratias estava fora de perigo..... Poucos dias depois, Francisco Palau morre em Tarragona. De forma inesperada, mas providencial, tinha cumprido a regra que acabara de completar na constituição que acabava de enviar às comunidades: "Se for declarada uma epidemia em qualquer lugar, o diretor enviará de outras casas todos os enfermeiros disponíveis necessários para socorrer os doentes"... O último encontro com ele foi no campo apostólico mais arriscado e heroico". (História, Vol-I, pg.291)

 

Oração de encerramento

 Deus, Pai todo-poderoso e sempre vivo, na vossa Palavra vivemos e morremos. Oferecemos-Te as almas de todos os que morreram por causa desta pandemia, pedimos-Te, por intercessão do nosso Padre Francisco Palau, que serviu ele próprio as vítimas da pandemia e deu a sua vida, provando ser um verdadeiro filho do Carmelo, que nos guie para enfrentarmos este tempo de pandemia com coragem e para oferecermos conforto aos doentes e sofredores. Rezamos esta oração por Cristo Nosso Senhor. Amém.

pt_PTPT
Partilhar isto